Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

[McFLY] Aparências

Ir à página : Anterior  1, 2, 3

Ir em baixo  Mensagem [Página 3 de 3]

51 Re: [McFLY] Aparências em 13.10.08 22:20

Lah Bender

avatar
MetalGreymon
MetalGreymon
ahhh tah MARA *-*


_________________

siggy by Mih *-*


Ver perfil do usuário

52 Re: [McFLY] Aparências em 27.10.08 18:48

Biazinha

avatar
Agumon
Agumon
NOOOOOOOSSA
Tirei do fundo do baú esse tópico heeein >.<

vamos a fic gareraaaa \o~/


CAPITULO 11 – SRA. MELLANY
15 de Fevereiro – Hospital & Centro Cirúrgico de Londres
- Dr. Robert Juan, favor comparecer ao consultório 7. – A recepcionista anunciava com a voz suave.
- Bom dia, meu nome é Mellany... – Sra. Mellany começou a dizer.
- Sei quem é. O Sr. Fletcher te espera na sala de visitas no 4o andar.
- OK.
Sra. Mellany andou rápido até o elevador, ao entrar, viu-se sozinha. Apertou o botão ‘4’ e se olhou no espelho. Seus traços eram velhos já. Algumas rugas ao lado dos olhos, os cabelos loiros presos em coque, e os olhos azuis escondidos atrás de um grande óculos redondo com lente fundo de garrafa. As roupas eram coloridas e grossas, típicas de uma americana simples.
‘Andar Quarto, Sala de visitas, quartos de número 400 à 499’
Ela saiu do elevador, tudo estava quieto e parado, até o momento que um moço loiro e um pouco gorducho correu na sua direção.
- Sra. Mellany! – Ele a cumprimentou.
- Sr. Fletcher. – Ela disse seca. – Um prazer em conhecê-lo.
Tom acompanhou-a quieto até a sala de visitas. Onde eles sentaram num pequeno sofá de couro, e todo o assunto do mundo parecia estar indo embora.
- Como a Gabi está? – Ela finalmente disse algo.
- Bem. Vai ficar bem.
- Vai ficar bem? – A mulher disse com raiva nas palavras, porém, mantendo o tom suave na voz.
- Ela... Ela sofreu... – Tom não conseguia dizer aquilo. – Ela... Foi... O médico... – Não dava! Era impossível!- Então... – Tom tremia por inteiro. – Me desculpe.
Lágrimas grossas cortaram o rosto de Tom, ele não sabia o que dizer, não sabia o que fazer.
Sra. Mellany então percebeu que as lágrimas de Tom eram sinceras, e que ele realmente não queria dizer aquelas palavras.
- Ela vai ficar paralítica. – Ele disse baixinho, com as mãos escondendo o rosto coberto de lágrimas.
- Pelo menos esta viva. – A mulher abraçou Tom com carinho. – Não chore tanto meu filho, ela vai melhor, ela vai ficar bem.
- TOM? – Harry entrou na sala de visitar de mãos dadas com Izzy. – Ah, desculpe.
- Que isso... – Tom soltou a mulher e limpou as lágrimas que ainda restavam no seu rosto. – Você ta indo pra casa do James?
- Estou, a Izzy não quer ficar em casa, sabe... Com o Dougie e o Danny aqui ainda...
- Eu fico em casa, sem problema.
- OK, toma a chave! – Harry jogou a chave para Tom, se despediu e foi embora.
--
- Dougie! – Danny disse feliz, na medida do possível.
- Que bom que você já está bem, cara! – Dougie entrou sentado na cadeira de rodas, sorrindo.
- E você? Que houve com a sua perna? – Danny olhou-o surpreso.
- Nada demais, o que importa é que estamos vivos. – Dougie fechou aporta atrás de si.
Eles ficaram em silêncio. Danny estava vendo alguém da banda pela primeira vez desde que havia saído da UTI, as imagens do acidente ainda lhe causavam pesadelos, e tudo ainda era real. Inclusive Gabriella.
- Você tava doidão né? – Dougie disse tímido, olhado para o chão.
- Não. – Danny disse sério.
- E como tomou o volante da mão do Harry daquela forma? Do nada?
- Eu vi alguém na pista, tentei desviar o carro, foi só isso. – Danny disse com a voz trêmula.
- Eu acredito em você, sabe?
Dougie apenas ouviu Danny fungar e um gemido baixo.
- Você ta chorando? – Dougie se aproximou, e na medida do possível, esticou-se até Danny.
- Não, to fazendo xixi na piscina idiota. – Danny riu.
Dougie acompanhou-o na risada.
- Meninos? – Olívia entrou no quarto um pouco tímida.
- Oli! Que saudade de você! – Danny abriu os braços com dificuldade.
Ela sorriu simpática, e sentou-se sorrindo ao lado de Danny.
- Você foi muito forte, podia ter morrido. – Ela resmungou em voz baixa.
- Fui mesmo. E quem bom que estou vivo. – Ele abriu um sorriso mostrando todos os dentes. – E aí? Como ta sua vida?
- Bem... E aquela menina, a tal da Gabriella? – Olívia perguntou feliz, talvez ela ainda não soubesse da história toda daquele acidente.
Dougie e Danny se olharam, e Dougie percebeu que era melhor ele explicar tudo o que tinha acontecido, antes que Olívia ouvisse a história na versão de Tom ou de Harry.
- Bem... – Dougie respirou fundo, procurando forças para dizer aquilo de alguma forma que não fizesse Danny começar a chorar ou Olívia achar o mesmo que Tom e Harry, que Danny era o culpado. – Depois de tudo aquilo, ela voltou pra cá, para ver o show, assim como ela tinha prometido.
- Depois que eu e o Danny terminamos, pode dizer. – Olívia disse com sinceridade.
- Então... – Dougie gaguejou. – Depois que vocês terminaram, a Gabriella foi embora com o pessoal da escola dela, e prometeu voltar para o show. Ela voltou... Encontramos ela na starbucks na tarde do acidente.
- ACIDENTE? – Olívia disse paralisada.
- Foi ela. Foi ela a fã que nós atropelamos. – Dougie usou o ‘nós’ para amenizar o peso daquela informação sobre Olívia.
Ela olhou desapontada para Danny, que assentiu com os olhos cheios de lágrimas.
- E como ela esta? – Ela arriscou a pergunta, morrendo de medo da resposta.
- Bem. Mas não vai poder mais andar.
Todos ficaram em silêncio depois da frase que Danny disse entre lágrimas.
---------
FIM DO CAPÍTULO

Ver perfil do usuário

53 Re: [McFLY] Aparências em 27.10.08 19:13

Lah Bender

avatar
MetalGreymon
MetalGreymon
Biazinha, tu jah tinha postado esse capítulo xD


_________________

siggy by Mih *-*


Ver perfil do usuário

54 Re: [McFLY] Aparências em 27.10.08 19:20

Biazinha

avatar
Agumon
Agumon
Já?
Okay, vou por o outro x)

Ver perfil do usuário

55 Re: [McFLY] Aparências em 27.10.08 19:20

Biazinha

avatar
Agumon
Agumon
CAPITULO 12 - DENÚNCIA
Olívia passou toda a tarde sentada naquela cama ao lado de Danny, segurado a mão branca e fria do garoto com carinho, alisando seu rosto em alguns momentos, mas principalmente desejando que o pior não acontecesse, já que ela já sabia o que vinha pela frente.
- Olívia, vem cá! – Dougie ia em direção da porta na cadeira de rodas. – Aproveita que ele dormiu, preciso falar com você. – O menino disse baixinho para não acordar o amigo.
Olívia deu um beijinho doce na mão de Danny e saiu do quarto, fechando a porta com cautela.
Ela olhou para os lados e observou Dougie no final do corredor, entrando numa sala de espera.
- Dougie? – Ela o seguiu.
- Olívia... – Ele estava num cantinho da sala, pegando um copo de café na cafeteira.
- Pode falar. – Ela o ajudou, afinal, ele estava esticando o braço feito louco para pegar uma colher de açúcar para seu café.
- Eu também vi. – Ele disse com medo, ela continuou mexendo o açúcar no café.
- Você diz da notícia hoje cedo na BBC? – Ela entregou-lhe o café calmamente.
- Como pode estar tão calma? Você... Logo eles vão chegar... – Dougie estava ofegante.
- Não podemos fazer nada. – Olívia deu os ombros e largou-se num sofá pequeno. Dougie se aproximou rápido, se ele estivesse andando, com certeza havia de ter ido correndo na direção de Olívia.
- Dougie, me ouça. Não podemos fazer absolutamente nada, as evidencias de que Danny atropelou Gabriella são maiores do que qualquer outra suspeita.
- Mas... Eu sou amigo do Danny, eu sei que ele não estava bêbado naquela noite.
- Você sabe. – Olívia olhou-o nos olhos com fúria. – Mas o resto do Reino Unido não.
Um silencio pesado invadiu a pequena sala por alguns segundos. Enfim Dougie tomou toda a xícara de café num gole só, continuava ofegante.
- Eles não podem prendê-lo. – Dougie resmungou em voz baixa.
- Podem sim. Danny tem registro de 20 multas por dirigir em alta velocidade e 10 por dirigir bêbado. Já foi pego 5 vezes com traficantes de drogas, e já foi internado em três clinicas de reabilitação diferentes nos últimos dois anos.
- Eu não que diabos a Gabi fez, mas depois que ele conheceu ela, ele parou com tudo isso.
- Sei. – Olívia zombou. – Dougie, até eu sei que o Harry nunca atropelaria alguém, e nunca ia dirigir em alta velocidade no meio de uma tempestade. Harry e Tom são os mais estáveis de vocês quarto. Prefiro acreditar neles.
- Olívia... – Dougie disse numa voz triste, quase implorando. – Por favor, você tem que acreditar em mim e no Danny, sabe... Depois que ele conheceu a Gabi... – Dougie olhou na direção do lado de fora do prédio por meio de uma janela. – Ele melhorou, aos poucos ele parou de fumar, e só bebia refrigerante. Ele apagou o telefone dos traficantes da agenda dele, e começou a freqüentar aulas de piano. Ele passava o dia todo com ela num apartamento que ele alugou, ele queria morar sozinho. Danny aprendeu a cozinhas, lavar as próprias roupas, cuidar de si mesmo. E ele tratava ela como um anjo.
- Ela é um anjo. – Olívia concordou com o olhar perdido em algum lugar da sala.
- Sim, ela é. – Ele respirou fundo mais uma vez. - Na noite do acidente... O Tom tinha brigado com a Gio... – Dougie continuou com sua fala triste. – E o Danny ficou triste de ir para a festa na casa do James sozinho, ele realmente havia planejado que a Gabi fosse com a gente. Todos nós estávamos contando com ela. Mas o meio do caminho, a musica alta, as piadas, e toda a diversão fez ele esquecer da Gabi por algum tempo. E foi quando aconteceu... – Dougie não achava palavras para explicar.
Olívia tentou então ajudá-lo a contar. – Danny tomou o volante de Harry.
- Não. – Ele disse um fúria. – Harry disse que viu um não sei o que, e desviou o carro pra um lado, Danny viu outro não sei o que e desviou o carro para o lado contrario, e o carro capotou quando eles pegaram no volante juntos.
- E como o carro estava em tão alta velocidade?
- Harry. Eu fiz uma brincadeira com ele, disse que ele dirigia devagar demais, eu sempre brinco com ele e com os guys, mas ele ficou bravo, e começou a pisar no acelerador sem controle, a pista estava molhada, ele sabia. Ele não tinha visão da pista, ele também sabia, mas ele começou a me provocar, agindo como um bebê manhoso.
- E o que aconteceu com sua perna? – Olívia perguntou com frieza.
- Ficou presa nas ferragens.
- E com o Danny?
- Um estilhaço de vidro no pulmão.
- E Harry?
- Quebrou o braço, apenas.
- E Tom?
- Bateu a cabeça, mas já está tudo bem?
- E Gabriella?
- Estava andando naquela mesma rua quando o carro passou, atropelamos ela, mas o que realmente estragou tudo foi que quando ela caiu no chão, ela bateu a coluna, ou sei lá, e ficou paraplégica. – Dougie estava ofegante, suas mãos começaram a suar frio, e sua cabeça a ficar extremamente pesada. – Mas ela sobreviveu.
- E agora estão vindo prender o Danny. – Olívia afirmou ainda com o olhar perdido.
- Que horas você acha que eles vem?
- Daqui meia hora. – Olívia desviou o olhar para um relógio na parede branca, por um pequeno instante.
- Quem fez a denúncia?
- Sra. Mellany e Harry, ontem à noite, no departamento de policia à 4 quadras daqui. – Ela disse com raiva.
- Por que fala assim? Não é você quem está do lado do Harry?
- O Danny pode até ser realmente o culpado, mas foi ridículo da parte de Harry chamar a policia e entregar ele, como se ele não estivesse errado também.

- Os dois foram errados. – Dougie concluiu. – Vou pro meu quarto, não quero ver meu amigo sendo preso. – Ele girou a cadeira de rodas e desapareceu.
-----
FIM DO CAPÍTULO

Ver perfil do usuário

56 Re: [McFLY] Aparências em 27.10.08 19:26

Lah Bender

avatar
MetalGreymon
MetalGreymon
nossa, que coisa...que triste isso *chora*
continua aí!!! =D


_________________

siggy by Mih *-*


Ver perfil do usuário

57 Re: [McFLY] Aparências em 28.10.08 17:29

Emmy :)

avatar
Betamon
Betamon
Dude, eu vou chorar!! :'(



*1 minuto de silêncio*
Ok, chega de minuto!! xD




*dah com um gato morto na cabeça do Harry*
Dude... entregar o Danny?? O.O'





Continua logoooo :B

Ver perfil do usuário

58 Re: [McFLY] Aparências em 28.10.08 18:36

Lah Bender

avatar
MetalGreymon
MetalGreymon
Harry dumaw


_________________

siggy by Mih *-*


Ver perfil do usuário

59 Re: [McFLY] Aparências em 02.11.08 13:27

Biazinha

avatar
Agumon
Agumon
CAPITULO 13 - MADRUGADA
Daniel apertou o pé no acelerador, ele mal via as coisas passarem correndo ao seu redor, ele só lembrava do rostinho sorridente de Gabriela 'No portão 1 do aeroporto, hoje à noite'. Ele sorriu sozinho dentro do carro e aperto o botão play do rádio, uma música barulhenta ecoou pelo veículo fechado.
- É melhor a gente não esperar ele. - Dougie disse, muito longe de onde Danny estava, apagando as luzes do estúdio.
- Não tá esquecendo ada Tom? - Harry apontou para uma pasta cheia de partituras jogada ao lado da bateria. Tom riu sozinho e buscou a pasta.
- Você acha que ele não volta mais pra casa Doug? - Os três estavam dentro do elevador, rumo ao estacionamento subterrâneo onde o carro de Tom estava.
- Sinceramente Tom, eu acho que o Danny não volta mais, e se ele voltar eu faço questão de botar ele pra fora. Ele já tá virando um encosto entende? - Resmugou Dougie.
- É, eu entendo. - O olhar de Tom era vazio e triste por lembrar-se nde que sue amigo estava tão perdido no mundo, se metendo com tantas coisas ruins, desperdiçando todo seu talento.
- Danny é um gênio. - Foi o que Harry disse quando eles se aproximaram do carro cor de vinho de Tom. - Mas ele tá jogando tudo fora. E eu não duvido nada que logo logo ós vamos enterrar ele.
Dougie e Tom pararam de andar, e olharam abismados para Harry, que apenas deu os ombros.
"Portão 1... Portão 1..." Danny lia todas as placas, que diante de seus olhos estavam embaçadas e dançantes. "Portão 10... Portão 3A... Onde está o portão 1?..."
- Danny? - Ele ouviu uma voz suave lhe chamar, ele virou de costas para observar de onde vinha a voz no mesmo momento em que uma chuva torrencial começou a descer do céu.
- Gabriella! - Ele sorriu enquanto corria até a menina. - Que belo primeiro encontro, não?
- É justamente como eu sonhei! - Ela brincou.
- Venha, eu te levo pra um lugar seco! - Ele enrolou o braço direito na cintura da garota, e puxou-a até onde ele havia estacionado seu carro negro. Ambos já estavam completamente molhados quando entraram no veículo, Danny ligou o o ar condicionado na temperatura quente, e puxou algumas toalhas do porta-malas para que Gabriella se secasse.
- Eu sinto muito... Acho que acabei marcando o encontro para um horário fora do normal... Onde é sua casa? - Ele disse tímido.
- Não precisa me levar pra casa Danny, não sou de açucar, e você acha mesmo que eu vou deixar uma chuva boba estragar nosso encontro? - Gabriella sorriu, seus dentes brilhantes e saudáveis.
Danny ficou deslumbrado por um segundo, e depois respirou fundo. - Então, pra onde vamos? Dançar na chuva? - Ele ironizou.
- Mais é claro!
Gabriella abriu a porta do carro e pulou pra fora. O estacionamento estava completamente vazio, somente o carro de Danny estava lá, agora, em meio à forte chuva, haviam trovões e raios, um vendaval forte, mas Gabriella pulava do lado de fora do carro, rodopiando sozinha, sorrindo para cada gota de chuva que tocava seu rosto.
- Gabi! Você vai ficar doente!
Mesmo em seu dia tumultuado, Danny não havia esquecido aquele encontro, ele queria levar Gabriella para um restaurante fino e de alto nível para se desculpar pelo banho de chá de algumas horas atrás. Danny queria uma valsa doce e inocente no centro de uma pista de dança do mesmo restaurante fino, ele queria terno e gravata. Ele não queria um encontro daquele jeito. Era muito bobo; Duas pessoas dançando ao meio da tempestade. Enquanto refletia sobre como aquela noite deveria estar sendo segundo os seus planos, os pés de Danny o guiaram na direção de Gabi, e só então ele percebeu com o que estava lidando.
Era um garota, de uns 16 anos, cabelos enrolados lhe caíam sobre os ombros, um sorriso de dentes brancos e perfeitos lhe moldava o rosto, e fazia covinhas nas suas bochechas rosadas, suas sombracelhas eram grossas e desenhadas com delicadeza. Gabi girava na ponta dos pés pelo estacionamento molhado, seu vestido branco a acompanhava, ele rodopiava, rodopiava. Danny não conseguiu sentir o seu coração bater quando ele estava lá. Ele estava abraçando aquela menina encantadora que daçava na chuva. Os dois começaram a dançar juntos, pisões em poças d'água, folhas velhas jogadas em seus rostos pelo vento, trovões para acompanhar cada pirueta, e gostas de chuva para selar o beijo perfeito.
Danny escorregou sua mão esquerda até a cintura da menina, e com a direita ele tirou alguns fios de cabelo que estavam grudados em seu rosto corado. Gabriella forçou seu corpo contra o de Danny, e não sabia se o beijava ou sorria; O que ela queria mesmo era dançar. Dançar e dançar.
Dany girou-a em seus braços e levou-a sorridente para dentro do carro novamente, onde, quando os dois se viram trancadoa ali, se deixaram cair na mais profunda crise de risos.
- Eu... - Gabriella tentou falar em meio a sua risada. - Esse foi o melhor encontro que eu já tive.
- Acho que tenho que concordar. - Danny riu ainda mais.
- Estamos completamete molhados! Agora eu aceito uma carona pra casa.
Gabi estendeu a mão para ligar o rádio, ainda rindo. No mesmo instante, Danny estendeu suas mãos, e elas se tocaram em cima do botão 'play'. Os risos pararam, o clima ficou quente, e o carro pareceu ficar pequeno demais para aquele momento mágico.
Danny esticou seu corpo na direção de Gabriella, a beijando docemente nos lábios. Ela sorriu mais uma vez.
- Gabi. - Ele disse baixinho, beijando a bochecha da menina. - Podemos ir pra casa se você quiser.
- Qual é a segunda opção? - A voz dela estava trêmula.
- Uma suíte presidencial com muita pipoca e coca-cola pra nós dois.

- Oh! Dúvida cruel! - Ela brincou. - Coca-cola gelada!


----------------
FIM DO CAPÍTULO

Ver perfil do usuário

60 Re: [McFLY] Aparências em 02.11.08 20:36

Lah Bender

avatar
MetalGreymon
MetalGreymon
aahhh, adoreeeeeei esse capítulo *-*
tah ótimo, continua Biazinha!!!


_________________

siggy by Mih *-*


Ver perfil do usuário

61 Re: [McFLY] Aparências em 04.11.08 22:26

Biazinha

avatar
Agumon
Agumon
CAPITULO 14 – TENTATIVA DE ABUSO
O apartamento era realmente deslumbrante. Paredes marfim com móveios prateados e de vidro, aquilo realmente parecia um sonho. Gabi andou até o banheiro para se secar, deixando um rastro molhado por onde passou. Danny sorriu, e deitou-se, mesmo molhado, no sofá de couro branco.
Gabriella cantarolava no banheiro. Danny era o proprietário daquela suíte, ele sabia que no armário da cozinha, do lado esquerdo, na segunda gaveta, dentro de uma caixinha vermelha havia o que ele precisava. Pó. Branco. Alucinante. Viciante. Mortal.
Era como se da sala ele sentisse o cheiro apelativo que vinha de dentro daquela caixa vermelha. Danny fechou os olhos. "Gabi está aqui, deixa isso pra outra hora". Ele lutou contra seus próprios extintos. "Não, você fica mais divertido com a ajuda do pó, corra, pegue, enquanto Gabi está no banheiro, ela não irá perceber!" Uma voz dizia dentro da sua mente. "Pegue, pegue logo Daniel Alan, ela não irá perceber." "Mas é claro que ela irá, não pegue nada, você consegue ficar sem o pó, a noite está perfeita, não a estrague." "Não vou estragar, é só um pouco, só algumas minigramas..." "Algumas fazem a diferença, seja você mesmo, viu como ela te beijou na chuva hoje? Ela vai ter largar assim que ver você doidão!" "Você pode oferecer pra ela, ela vai gostar, e então vocês podem fazer coisas muito mais divertidas do que dançar na chuva." "Olhe pra dentro de você Danny, você não é um drogado, você não precisa das drogas, você precisa dela, Gabriella é o que você precisa, fique com ela, lute por ela!" "Existem milhares de garotas no mundo, ela não é a única, use-a e jogue-a fora, ela é uma vaca como todas as outras!" "Gabi é especial, ela te ama, olhe nos olhos dela!"
Danny já estava de frente à caixa vermelha na cozinha, e ele pegou o seu conteúdo, ele podia sentir seus pés deixando o chão, tudo ao seu redor girar.
- Danny? - Uma voz rouca vinha de algum lugar. - Você está bem? - Um vulto colorido se aproximava. - Danny? Quer alguma coisa? Vem... eu te ajudo a se deitar! - Uma mão fria o puxou e o levou até um quarto, onde quando ele viu, já estava coberto por vários cobertores.
- Talvez seja melhor chamar um médico. - Gabriella dizia consigo mesma enquanto procurara números familiares no celular de Danny.
- Gabi? - Ele resmungou.
- Você se drogou Danny, eu vi. - Ela não olhou nos olhos dele, continuou sentada aos pés da cama, séria.
- Me desculpe.
- Vou chamar um médico.
- Não conte para os caras.
- Não se preocupe.
- Por que está me ajudando?
- Não posso te deixar desse jeito.
- Você vai embora?
- Claro... que não.
- Você não tem medo de ficar aqui comigo?
- Se você tentar algo, eu taco um vaso na sua cabeça, não se preocupe Daniel.
Ela discou um número e começou a falar rapidamente ao telefone.
- Sim... Isso... água fria? banho de água fria? ok, vou fazer isso. Ahã... Uhum... Entendi. Chá de maracujá? Onde eu compro isso? Sim, claro. Comida quente... Cobertores, ok, entendi. Bananas? Pra que bananas? Sim, claro, exatamente. É! O senhor já disse isso... Ok! Eu retorno se algo sair do meu controle... Ah, pode dizer então... Que mais?
Gabriella sentiu o telefone cair de suas mãos, algo a puxou com força em direção à cama king size, as mãos furiosas de Danny percorreram seu corpo por cima de suas roupas. Ele levou a mão até os botões de sua camisa.
Ela deu um tapa na cara dele, e correu, correu.
A porta, o elevador, o hall do hotel, a avenida vazia, o ponto de ônibus do outro lado da rua. O último banco do ônibus, ela ainda estava ofegante.
- Ele realmente não voltou. - Tom becejou, desligando a TV.
- Eu disse. - Dougie deu os ombros. - Vou dormir galera, até amanhã.
- Até. - Tom e Harry disseram juntos enquanto Dougie subia as escadas.
Um silêncio pairou pela sala por alguns segundos. Tom suspirou, e então caiu no colo de Harry.
- Tom? Tom? Err... Cara, não precisa chorar... - Harry não sabia se ria ou chorava junto.
- Harry, ele é nosso amigo, mas a gente não consegue fazer nada por ele, eu pensei em quando ele voltar, eu digo, se um dia ele voltar, a gente internar ele. Sabe? Naquelas clínicas de recuperação.
- Ele é o Danny, não a Amy Winehouse. - Harry riu.
Tom soltou uma risada fraca. - Falo sério, é a única forma de fazer ele voltar a si mesmo, eu conheço o Danny...
- Ninguém conhece ele de verdade Tom. - Harry estava sério agora. - Tomara que ele esteja bem agora.
- O que eu duvido muito.

Gabi entrou devagar no quarto do hotel onde sua turma da escola estava hospedada. Carol dormia tranquilamente. Gabriella ainda tremia de desespero, ela trocou as roupas molhadas por um pijama de flanela azul-bebê, e se encolheu em baixo das cobertas enquanto lágrimas grossas e desesperadas saltavam do seu rosto.
---------
FIM DO CAPÍTULO

Ver perfil do usuário

62 Re: [McFLY] Aparências em 05.11.08 15:17

Emmy :)

avatar
Betamon
Betamon
OMG!! DUDE, SE MORRE!!

*taca um vaso na cabeça do Danny*
Esse sujeitinho... aii, meldels, se fosse cmg!! ¬¬'


Continua Biazinhaaa!! xD

Ver perfil do usuário

63 Re: [McFLY] Aparências em 07.01.09 16:39

Biazinha

avatar
Agumon
Agumon
Fic temporariamente parada >.<
Sorry guys, o bloqueio criativo é mais forte que eu.

Ver perfil do usuário

64 Re: [McFLY] Aparências em 30.11.09 13:36

Bruninha_a


Botamon
Botamon
Posta mais Cara ameeei
to adorandoo

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 3 de 3]

Ir à página : Anterior  1, 2, 3

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum